19 de novembro de 2010

O amor e suas faces

Existem diversos pensamentos acerca da definição do sentimento Amor, eu mesma ate hoje não consegui defini-lo com precisa clareza, porém, consigo sentir as melhores ou piores sensações do mundo e diagnosticar quando ele esta ou não presente em minha vida.

Amar nem sempre faz bem e nem sempre é tão bom como algumas pessoas pensam, é sabido que existem amores que fazem doer o coração de saudade boa, de sofrimento ruim, de coisas gostosas, de sensações únicas, amores que matam, que deixam feridas e amores que preferimos deletar de nossos corações a todo custo.

Ao meu ver, o melhor amor do mundo, é aquele amor companheiro, que vive o que tiver de viver com você, que topa TUDO para estar ao teu lado, que usa do diálogo pra buscar o entendimento quando suas opiniões entram em confronto, que tenta na medida do possível entender-te, aceitar-te e que não te deixa na mão de forma alguma.

Seria maravilhoso se todas as pessoas tivessem alguém com quem contar os seus problemas, deitar ao lado e ter certeza dos próprios sentimentos, sentir-se muito bem por estar ao lado de tal pessoa, sem duvidar de sua felicidade, mesmo que acabe não dando certo no futuro, pois, sentir-se no caminho CERTO e CLARO ao pensar em seu parceiro é fundamental para viver um amor saudável e entregar-se verdadeiramente à uma relação (...)

Portanto, entende-se que a base para o amor não esta em simplesmente amar, mas na capacidade de doar-se para outrem e preenche-lo do que mais se quer, na junção de várias qualidades humanas como: atenção, afeto, carinho, declaração, compreensao, educação, respeito e o principal: companheirismo, afinal, quem tem essa qualidade, tem quase TUDO, porque dela, se tira o bem em querer dar ao outro o que se quer e em fazer ao outro o melhor sempre que possível. De certo que as pessoas não conseguem viver umas sem as outras, mas sem companheirismo viveriam em pé de guerra, como Gregos e Troianos.

Talita Oliveira