3 de julho de 2013

Mar, amar, remar e não parar...

             No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 

Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 

Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais uma vez estar desatento, são apenas 7 bilhões de pessoas no mundo, e a maioria delas se não passa, um dia passou por questionamentos iguais aos teus, por dores iguais as tuas e principalmente, por momentos de alegrias, de entrega, de amor e afeto.

E a vida é isso meu caro(a), enfrentar todos os dias os mesmos gigantes, chorar todas as vezes que for possível, voltar atrás todas as vezes que for necessário, amar a todo momento, não necessariamente da mesma forma, mas amar e amar intensamente, acreditando que somente amando o mundo muda, que somente amando você muda e que amando se sente o mundo com mais sabor.

...não se culpe ao errar, não se martirize por perdoar e acima de TUDO, lembre-se que você tem a obrigação de sentir-se feliz, que esse estado não deve estar ligado a ninguém senão a você mesmo, portador dos próprios sonhos, gladiador das próprias batalhas e o principal, marujo, navegante e comandante desse imenso navio, o qual chamamos de nossas vidas, o mar, por sua vez, é "apenas" o caminho... por isso, navegue, se preciso reme, mas não pare. Por favor, não pare nunca.

Talita Oliveira