3 de julho de 2013

Mar, amar, remar e não parar...

             No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 

Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 

Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais uma vez estar desatento, são apenas 7 bilhões de pessoas no mundo, e a maioria delas se não passa, um dia passou por questionamentos iguais aos teus, por dores iguais as tuas e principalmente, por momentos de alegrias, de entrega, de amor e afeto.

E a vida é isso meu caro(a), enfrentar todos os dias os mesmos gigantes, chorar todas as vezes que for possível, voltar atrás todas as vezes que for necessário, amar a todo momento, não necessariamente da mesma forma, mas amar e amar intensamente, acreditando que somente amando o mundo muda, que somente amando você muda e que amando se sente o mundo com mais sabor.

...não se culpe ao errar, não se martirize por perdoar e acima de TUDO, lembre-se que você tem a obrigação de sentir-se feliz, que esse estado não deve estar ligado a ninguém senão a você mesmo, portador dos próprios sonhos, gladiador das próprias batalhas e o principal, marujo, navegante e comandante desse imenso navio, o qual chamamos de nossas vidas, o mar, por sua vez, é "apenas" o caminho... por isso, navegue, se preciso reme, mas não pare. Por favor, não pare nunca.

Talita Oliveira

3 comentários:

  1. Não sabia que tinha um blog. Lindo texto. Também acredito que não podemos desistir nunca e que o amor...ah.. o amor...esse é o combustível de nossa existência.
    Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  2. LIndo!! Parar nunca...desistir nunca...navegar é preciso!!!

    ResponderExcluir
  3. 2014 sem postarem... Acho que merecia um texto "Sublime amor" falando de almas conectadas, que mesmo distantes, sem contato, ainda sim permanecem presente, como parte de nós. Falo de uma amizade-amor que nasceu na adolescência e viveu por tempos e mais tempos, ultrapassando barreiras, e se adaptando ao oculto. Mesmo sem perceber, te acompanha de longe e fica feliz por cada sorriso que tens dado. E dizer que estou feliz por você esta sim feliz, beijo no olho, daquele que sempre amou te ter do lado, como amor ou como amiga, companheira de festas e parceira de forro e lambada rsrs... A Biz esta na praça do Acarajé as 5:00 da manha rs

    ResponderExcluir