Pular para o conteúdo principal

Geni e o Zepelim - Um olhar diferente

"Joga pedra na Geni
Joga pedra na Geni
Ela é feita pra apanhar
Ela é boa de cuspir
Ela dá pra qualquer um
Maldita Geni" (...)

A Geni pode ser moça donzela, fazer parte da classe burguesa, estar destinada à grandes cargos ou apenas ser doméstica e não ter sequer o primeiro grau completo. Mas a Geni do Chico é a mulher de aço e de flores, a menina\mulher que tenta dizer ao mundo que também sente frio, fome e sede, que tendo algo material de valor ou não na vida, é alguém, que precisa de outros "alguéns" para sobreviver. Ela é tão gente como nós, que paga tributos ao governo, que faz suas compras do mês, que encara filas e que precisa cuidar de seus filhos. Aos olhos de quem vê por trás, não compreende que cada pessoa tem algo especial dentro de si, que julgo por fatos morais não justificam o que é interior, o que é coração ou o que julgamos ser do bem. Meu maior segredo é confessar que também sou uma Geni, e vendo meu corpo aos moldes da moda, da estética, do luxo e do capitalismo. Sou Geni quando me entrego à sociedade de corpo e alma em causas infundadas e anti-éticas, ou quando critico alguém sem ao menos dar-me o trabalho de compreender qualquer fato social que rodeia tal ação. Encabulada fico, quando tenho que viver de acordo com os conformes estabelecidos, ou quando preciso regrar qualquer ato, tomar cautela com minhas omissões ou pagar caro por minhas inverdades. O homem não tem outra arma se não a si, e isso acontece quando o mesmo compara o modo como vive e o estabelece como coeso e coerente, o problema é que a sociedade não entende que concavo e convexo também podem se unir, na mesma medida que uma sociedade se faz através de um algo em comum, por isso tem denominação de comunidade, o outro também faz parte de nós assim como partes nossas são encontradas em outras pessoas. E quando julgamos o outro, julgamos a nós mesmos, numa subjetiva vontade de expor tudo o que somos criticamos ao mundo, e afastamos cada vez mais a possibilidade de um dia vivermos em paz e em harmonia. O grande poeta Augusto dos Anjos dizia que: "a mão que afaga é a mesma que apedreja".

"Não vivo como quero, se vivo, assim o preço certo futuramente acerto". (T.Oliveira)

Talita Oliveira

Comentários

  1. Eu realmente adoro essa música do Chico, e principamente esse trechinho,ele mostra como a sociedade realmente é: hipócrita; criticamos as pessoas sem saber o porque de suas escolhas,e quando precisamos delas as reverenciamos, usamos , as descartamos e voltamos aos julgamentos...E é esquecido que nós julgadores também sempre estamos preso a um sistema, a uma regra ,sempre somos escravos de algo, nos vendemos de uma forma ou de outra e que nisso também estarão lá outros que irão apontar sempre nossos erros.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PASSADO, PRESENTE & FUTURO

Nem TUDO o que aparentemente é bom, faz bem para você. Neste sentido, bem assim são as pessoas. Não sabemos o que o destino nos reserva, vivemos planejando, antecipando momentos, dias, meses, anos, décadas e sempre estamos a frente de nosso próprio FUTURO. Interessante é que não sabemos sequer aonde iremos chegar, apenas, o máximo que podemos ter em mente é o que DESEJAMOS, mas, muitas vezes sequer isso conseguimos materializar nas nossas vidas. Nós, eternos seres errantes, na luta contra nossa própria personalidade, na luta contra nossos próprios lobos (internos) diários, temos que enfrentar um UNIVERSO cheio de inconstância e imprevisibilidade lá fora! O mais interessante é que aquilo que desejamos HOJE, pode não ser mais o que queremos para AMANHÃ, sequer aquilo que um dia almejamos ter no passado! Como podemos compreender tamanha falta de certeza sobre nós mesmos? Ao mesmo tempo questiono: O que seria do HOMEM se não fossem seus sonhos? Sonhar, mesmo que sentindo o objetivo um po…

Dê-me MOTIVOS

Ninguém vive de promessas, o ser humano necessita de concretude, de FATOS, meios possíveis de se realizar um desejo, um sonho, ou, uma vontade. Dizem que não precisamos de muito para sermos felizes, concordo! Porém, tenho plena convicção que precisamos do "MATERIALISMO DAS PALAVRAS", das ações vistas aos olhos humanos. O ser humano anda tão desacreditado, que a cada dia que passa reinventa novas formas em busca da felicidade, esquecendo-se que ser FELIZ é algo constante, requer passar pelas turbulências diárias da vida, entretanto, ao lado de pessoas que nos dêem MOTIVOS para acreditar, amar e tocar o barco da vida.

"De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos" (José Saramago)

Mar, amar, remar e não parar...

No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 
Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 
Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais …