Pular para o conteúdo principal

Viver e mais um pouco, mais um pouco e viver (...)

São vastas as possibilidades de se viver a vida, o único lamento é a tal da vida ser única, insubstituível e não estar sujeita à retorno. Difícil é fazer com que algumas pessoas percebam que o tempo está caminhando, e cada vez mais ágil. As vezes me questiono, de forma afirmativa e intrigante: Porque algumas pessoas não esquecem-se umas das outras de vez em quando e não correm atrás de viver o melhor que a vida pode lhes proporcionar? Porque não vão atrás da sua própria felicidade? Porque com tão pouco tempo para se viver, para contribuir e receber, as pessoas preocupam-se mais em analisar o que o outro faz, com quem o outro faz, de que modo ele faz e o porquê faz? Não compreendo a sede humana em entreter-se com a vida alheia, vidas tão simples por sinal, vidas tão vidas, vidas com vontade de viver e não de serem monitoradas, assistidas ou vividas por segundos ou terceiros. Tantas pessoas especiais à nossa volta, e quantas ocasiões perdemos por estacionar no tempo (...)


Parece-me que o bom é ver e/ou causar polêmica, ou melhor: “o fato social de valor”, como já foi colocado em questão pelo jusfilósofo Miguel Reale em suas vastas teorias, afinal, percebo que em determinados momentos o ideal para muitas pessoas é sentir ou fazer as coisas ficarem fora do lugar na vida do outro, para então se divertir, viver... não a sua própria vida, claro, custaria caro demais para si, e também não seria tão interessante quanto ver o outro, ver de fora, ficar de platéia na vida alheia.


Sendo assim, venho com um propósito à todos: façamos um pequeno teste, ou trato: vamos deixar a vida seguir, porque para o universo somos meros coadjuvantes, por outro lado, somos protagonistas do NOSSO próprio viver. Então, alimente-se de si mesmo e plante dentro do seu jardim, coisas boas ou ruins, cabe a você optar, cabe a nós mesmos decidirmos se paramos ou prosseguimos com a caminhada, afinal, só seremos realmente felizes quando estivermos vivendo nossa própria vida, podando nossas próprias árvores, semeando nosso pequeno grande mundinho de intrigância, decisões e reflexão.

"Viver é a coisa mais rara do mundo - a maioria das pessoas apenas existe". (Oscar Wilde)





Talita Oliveira Gomes

Comentários

  1. É isso aê Taly, me lembra 2 musicas q n canso de ouvir, pra mim 2 profetas! uma coisa é certa, se preocupar com si próprio traz a felicidade, e isso INCOMODA

    Falso profeta falador.
    Quem te contou que o ódio vence o amor?
    Pecador, pode baixar o faixo, querendo aparecer falando mal dos outros aí é golpe baixo.
    Aponte meu erro, esconda o seu.
    O caminho com atalho pro seu apogeu (MV bill)

    Disse, que disse
    Parece Dona Candinha
    Tu não cuida da tua vida e quer cuidar da minha
    A minha funciona como uma trilha sonora
    Eu não tenho tempo pra jogar conversa fora
    Tu falou com Zé que o João contou
    É tipo um Leão Lobo que não se profissionalizou

    Não consegue ficar sem bater com a língua nos dentes
    Não é dedo duro que vai quebrar a corrente
    Eu vou te dando trégua só pra ver onde cê vai parar
    Cê fecha a boca mas não para de falar
    E fala pelos cotovelos, tá me deixando louco
    Pra atrasar tem muitos, pra adiantar é que tem poucos. (MD2)

    ResponderExcluir
  2. Então!!! Maravilhoso texto Talita... Como é rara essa nossa vida e tão pouco valor algumas pessoas dispensam a ela! Aproveitemos mais a nossa vida, esqueçamos um pouco a vida alheia... bjus

    ResponderExcluir
  3. Muito Lindo!
    Parabéns, lindas Palavras!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PASSADO, PRESENTE & FUTURO

Nem TUDO o que aparentemente é bom, faz bem para você. Neste sentido, bem assim são as pessoas. Não sabemos o que o destino nos reserva, vivemos planejando, antecipando momentos, dias, meses, anos, décadas e sempre estamos a frente de nosso próprio FUTURO. Interessante é que não sabemos sequer aonde iremos chegar, apenas, o máximo que podemos ter em mente é o que DESEJAMOS, mas, muitas vezes sequer isso conseguimos materializar nas nossas vidas. Nós, eternos seres errantes, na luta contra nossa própria personalidade, na luta contra nossos próprios lobos (internos) diários, temos que enfrentar um UNIVERSO cheio de inconstância e imprevisibilidade lá fora! O mais interessante é que aquilo que desejamos HOJE, pode não ser mais o que queremos para AMANHÃ, sequer aquilo que um dia almejamos ter no passado! Como podemos compreender tamanha falta de certeza sobre nós mesmos? Ao mesmo tempo questiono: O que seria do HOMEM se não fossem seus sonhos? Sonhar, mesmo que sentindo o objetivo um po…

DESEJOS HUMANOS

O homem necessita da obtenção do sentimento de pertencimento social, saber compreender que de FATO suas ações tem grande impacto e notoriedade para o tão almejado alcance da transformação social, propiciando a mudança do status quo. Ser humano é poder reinventar-se a cada dia, mesmo diante dos impactos pessoais, políticos ou sociais que o MUNDO vivencia cotidianamente, diante disto, garantir direitos parte não somente da obrigação Estatal, mas, dos, "pequenos" munícipes, que possuem poder de VOZ que jamais nenhum passado histórico opressor, como a DITADURA MILITAR poderá calar a força de cada um. Questiono-me o que é a vida, senão a luta pela mesma, pela sobrevivência, por permanecer ativo e forte diante de tantas AUSÊNCIAS, estejam elas baseadas em qualquer aspecto. Enquanto cada um faz a sua parte, o mundo vai transformando naquilo que mais desejamos, um lugar adequado para se viver, ou, pelo menos, passível de se habitar para a sobrevivência social. Chega um determinado …

Mar, amar, remar e não parar...

No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 
Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 
Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais …