Pular para o conteúdo principal

A procura da paciência

Tenho em diversos momentos da vida, sentido como se as pessoas não soubessem mais o que é ter dentro de si o sentimento da paciência, não apenas citando as relações pessoais, mas, o conjunto das relações interpessoais movidas pelo dia a dia, é percebido que todos literalmente perderam em algum lugar, entre o tempo e o espaço a paciência, e incrivelmente não sabem mais onde encontrá-la, confundindo-se muitas vezes como uma pedra preciosa ou como o ouro perdido em meio ao mar. É certo que a paciência é uma virtude, delicada demais e ao mesmo tempo de extrema importância, pois, sem a mesma, o convívio social seria intolerante, de modo que a mesma não pode ser misturada com a tolerância em excesso, ou até mesmo com a aceitação da falta de qualidade. Deste modo, analisa-se que, uma pessoa paciente não é aquela que por ventura acaba por aceitar a tudo, mas, é aquela que de fato tem domínio sobre si.
Sendo assim, quando se afirma que as pessoas estão cada vez mais perdendo a paciência, quer dizer basicamente que elas estão pondo a perder o autocontrole e o domínio da vontade própria deixando-se levar muito mais pelo sentimento da emoção e não pela razão, mesmo que ao relatarmos o nosso ponto de vista, pensemos que estamos a agir sempre racionalmente.
Os mais renomados cientistas afirmavam que todo ser humano que tem paciência, obtém o que deseja Newton, ao afirmar que suas descobertas mais valiosas foram geradas muito mais pela pratica paciente do que através de seus próprios talentos. A paciência nada mais é do que uma valiosa e rara virtude que deve ser perpassada por todas as pessoas, pois, pressupõe ao exercício de sempre se colocar no lugar das outras pessoas, levando em reflexão que por muitas vezes, ter paciência significa unicamente ter humildade para respeitar as opiniões e expressões alheias e adversas, mesmo que delas você esteja a discordar, afinal, nos dias de hoje, para não viver, mas SOBREVIVER com o mínimo de qualidade de vida necessário, é preciso ter ou praticar a paciência.
Talita Oliveira

Comentários

  1. "uma pessoa paciente não é aquela que por ventura acaba por aceitar a tudo, mas, é aquela que de fato tem domínio sobre si."

    ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PASSADO, PRESENTE & FUTURO

Nem TUDO o que aparentemente é bom, faz bem para você. Neste sentido, bem assim são as pessoas. Não sabemos o que o destino nos reserva, vivemos planejando, antecipando momentos, dias, meses, anos, décadas e sempre estamos a frente de nosso próprio FUTURO. Interessante é que não sabemos sequer aonde iremos chegar, apenas, o máximo que podemos ter em mente é o que DESEJAMOS, mas, muitas vezes sequer isso conseguimos materializar nas nossas vidas. Nós, eternos seres errantes, na luta contra nossa própria personalidade, na luta contra nossos próprios lobos (internos) diários, temos que enfrentar um UNIVERSO cheio de inconstância e imprevisibilidade lá fora! O mais interessante é que aquilo que desejamos HOJE, pode não ser mais o que queremos para AMANHÃ, sequer aquilo que um dia almejamos ter no passado! Como podemos compreender tamanha falta de certeza sobre nós mesmos? Ao mesmo tempo questiono: O que seria do HOMEM se não fossem seus sonhos? Sonhar, mesmo que sentindo o objetivo um po…

Dê-me MOTIVOS

Ninguém vive de promessas, o ser humano necessita de concretude, de FATOS, meios possíveis de se realizar um desejo, um sonho, ou, uma vontade. Dizem que não precisamos de muito para sermos felizes, concordo! Porém, tenho plena convicção que precisamos do "MATERIALISMO DAS PALAVRAS", das ações vistas aos olhos humanos. O ser humano anda tão desacreditado, que a cada dia que passa reinventa novas formas em busca da felicidade, esquecendo-se que ser FELIZ é algo constante, requer passar pelas turbulências diárias da vida, entretanto, ao lado de pessoas que nos dêem MOTIVOS para acreditar, amar e tocar o barco da vida.

"De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos" (José Saramago)

Mar, amar, remar e não parar...

No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 
Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 
Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais …