Pular para o conteúdo principal

Outsiders e os estabelecidos

Eu deveria dar continuidade ao texto anterior, mas por imprevisto vou postar este aqui:

É comum que num primeiro contato entre duas pessoas que não fazem parte do mesmo ciclo social, mas que por ventura tiveram de se unir ocorra uma certa retração. Os primeiros contatos são sempre os mais difíceis, não sabemos com qual pessoa estamos nos relacionando, julgamos seu caráter, seu jeito de falar, suas roupas, etc. Julgar é o ato inicial que um homem tem sob o outro num primeiro olhar, as relações não terminam por conta disto, mas de como isso se prospecta numa visão futura. Atualmente temos conceitos pré-definidos sobre TUDO, não existe absolutamente nada que não seja passivo de ter prontinho sua definição ou melhor, uma pré-conceituação.

Seria severo de minha parte afirmar que temos medo do diferente? Os homens desde sempre criaram mitos para explicar o que não poderiam entender e nós semrpe compactuamos com isto. Medo de arriscar, medo de encarar os fatos sem cortinas, medo de ser rejeitado, receio do que poderá encontrar, temor por algo ou alguém que nunca vi, que não sei quanto mal pode me fazer. Faz parte do homem, esse medo do diferente, mas o que definitivamente não faz parte é a NEGAÇÃO, a NÃO ACEITAÇÃO do diferente. É a desvalorização da visão do outro, da cultura do outro, da orientação sexual do outro, do que o outro sente prazer, do que ao outro faz FELIZ, agrada.

O homem deve simplesmente entender que as diferenças existem, devem ser respeitadas e saber que rejeita-las, pode causar sérios transtornos futuros, afirmo nas palavras de muitos críticos sobre o que o autor escreveu: “o mundo dá voltas”, essas foram as palavras. Hoje você pode se considerar um outsider mas e amanhã? Ou melhor e sua geração futura? Merece viver sob a barreira que voce construiu? Na negação de viver em harmonia, em preferencia de lutar para ser reconhecido sabe lá por quem, como o melhor padrão, a melhor postura ou a perfeita razão? Neste entrave de verdades e mentiras, de quem está certo ou errado, prefiro não compactuar.

Talita Oliveira

Comentários

  1. Como diz Caetano 'E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho', nós realmente temos receio de aceitar o novo,de bater de frente, então preferimos nos acomodar e viver enquadrados no mundinho que melhor agrada a sociedade por medo de viver do jeito que nos faz se sentir bem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

PASSADO, PRESENTE & FUTURO

Nem TUDO o que aparentemente é bom, faz bem para você. Neste sentido, bem assim são as pessoas. Não sabemos o que o destino nos reserva, vivemos planejando, antecipando momentos, dias, meses, anos, décadas e sempre estamos a frente de nosso próprio FUTURO. Interessante é que não sabemos sequer aonde iremos chegar, apenas, o máximo que podemos ter em mente é o que DESEJAMOS, mas, muitas vezes sequer isso conseguimos materializar nas nossas vidas. Nós, eternos seres errantes, na luta contra nossa própria personalidade, na luta contra nossos próprios lobos (internos) diários, temos que enfrentar um UNIVERSO cheio de inconstância e imprevisibilidade lá fora! O mais interessante é que aquilo que desejamos HOJE, pode não ser mais o que queremos para AMANHÃ, sequer aquilo que um dia almejamos ter no passado! Como podemos compreender tamanha falta de certeza sobre nós mesmos? Ao mesmo tempo questiono: O que seria do HOMEM se não fossem seus sonhos? Sonhar, mesmo que sentindo o objetivo um po…

DESEJOS HUMANOS

O homem necessita da obtenção do sentimento de pertencimento social, saber compreender que de FATO suas ações tem grande impacto e notoriedade para o tão almejado alcance da transformação social, propiciando a mudança do status quo. Ser humano é poder reinventar-se a cada dia, mesmo diante dos impactos pessoais, políticos ou sociais que o MUNDO vivencia cotidianamente, diante disto, garantir direitos parte não somente da obrigação Estatal, mas, dos, "pequenos" munícipes, que possuem poder de VOZ que jamais nenhum passado histórico opressor, como a DITADURA MILITAR poderá calar a força de cada um. Questiono-me o que é a vida, senão a luta pela mesma, pela sobrevivência, por permanecer ativo e forte diante de tantas AUSÊNCIAS, estejam elas baseadas em qualquer aspecto. Enquanto cada um faz a sua parte, o mundo vai transformando naquilo que mais desejamos, um lugar adequado para se viver, ou, pelo menos, passível de se habitar para a sobrevivência social. Chega um determinado …

Mar, amar, remar e não parar...

No desejo de sentir o que nunca senti, de enxergar o que ainda não vi, de sonhar algo novo e acreditar mais uma vez, porque um dia deixei de acreditar, de não querer mais amar, de achar que nunca amei, de cansar de saber tudo o que sei. 
Tenho visto, vivido e sentido o ser humano fugindo de suas verdadeiras responsabilidades sentimentais, quando sofre, penaliza-se, quando sente-se feliz, responsabiliza a outrem. Então me questiono.: como pode um ser humano dotado de tanta autonomia depender tanto do outro, não enxergar seus próprios valores e principalmente, desacreditar no amanhã? 
Sinto-me exausta de embarcações estranhas, cansada do novo que não trás novidades, de meias pessoas e meias verdades, por isso sei, não tem sido fácil pra você, diversas vezes virar a página, rescrever diversas histórias, viver tempos turbulentos, tempos calmos, tempos em que o tempo não importava, tempos em que voltar ao tempo necessitara, de chegar o momento, de esquecer o sofrimento, ou mais …